Surfistas engajados por justiça socioambiental

Ecosurfi representa a comunidade do surfe em Brasilia

Ecosurfi representa a comunidade do surfe em Brasilia Ecosurfi representa a comunidade do surfe em Brasilia

Noite do Surfe pelo Social em Itanhaém

Encontro tem como proposta reunir a comunidade do surfe

Encontro tem como proposta reunir a comunidade do surfe Encontro tem como proposta reunir a comunidade do surfe

Projeto faz diagnóstico de áreas potenciais para Ecoturismo

Levantamento aponta atrativos em Itanhaém/SP

Projeto faz diagnóstico de áreas potenciais para Ecoturismo Projeto faz diagnóstico de áreas potenciais para Ecoturismo

Ecosurfi encoraja surfistas a discutir Gestão Costeira

Comunidade do surfe cobra mais atenção com as praias

Comunidade do surfe cobra mais atenção com as praias Comunidade do surfe cobra mais atenção com as praias

Profissionais da Escola Ecosurfi passam por “reciclagem”

Curso de Formação e Atualização de Instrutores de Surfe

Curso de Formação e Atualização de Instrutores de Surfe Curso de Formação e Atualização de Instrutores de Surfe

Semana do Meio Ambiente debate surfe e sustentabilidade

O seminário vai debater o engajamento dos surfistas

O seminário vai debater o engajamento dos surfistas O seminário vai debater o engajamento dos surfistas

Ecosurfi “dropa” no Ibirapuera

Projetos que defendem a biodiversidade foram expostos

Projetos que defendem a biodiversidade foram expostos Projetos que defendem a biodiversidade foram expostos

Programa de voluntariado da Ecosurfi

Visa criar uma rede para o engajamento público

Visa criar uma rede para o engajamento público Visa criar uma rede para o engajamento público

Instrutores da Escola Ecosurfi recebem treinamento

O objetivo do projeto é ensinar técnicas para resgates no mar

Instrutores da Escola Ecosurfi recebem treinamento do Salva Surfe Instrutores da Escola Ecosurfi recebem treinamento do Salva Surfe

“Onde o mar encontra as pessoas” será lançado na Ecosurfi

Documentário traz o panorama das relações humanas com o mar

“Onde o mar encontra as pessoas” será lançado na Ecosurfi “Onde o mar encontra as pessoas” será lançado na Ecosurfi

Vitória contra o projeto Porto Brasil

Terra Indígena é demarcada e restingas são protegidas

Terra Indígena é demarcada e restingas são protegidas Terra Indígena é demarcada e restingas são protegidas

Viva Mata 2011 vai debater surfe e gestão costeira

Debate tem como foco discutir as zonas costeiras

Debate tem como foco discutir as zonas costeiras Debate tem como foco discutir as zonas costeiras

Ecosurfi atua na criação de área protegida em SP

Decreto oficializa a criação do mosaico de UC,s

Ecosurfi atua na criação de área protegida em SP

Participações


Redes

a) Juventudes

CJ Caiçara | CJ-SP
Os Coletivos Jovens de Meio Ambiente são grupos de jovens engajados e interessados nas questões socioambientais. Presentes em todos os estados brasileiros os CJs articulam em rede iniciativas e organizações de juventude em consonância com as ações que envolvem a Política Nacional de Educação Ambiental, principalmente a Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente.

No estado de São Paulo o Coletivo Jovem de Meio Ambiente é dividido em três núcleos territoriais, tomando por base as identidades culturais caracterísiticas de cada região. O CJ Caiçara abarca a região costeira do estado, o CJ Caipira abrange o interior e o CJ Metropolitano envolve toda a Grande São Paulo e ABC.

Para acessar mais informações e conhecer melhor o CJ-SP, acesse o Portal Educomunicativo Flecha de Luz (www.flechadeluza.org)

FNMOJ
O Fórum Nacional de Movimentos e Organizações Juvenis (FNMOJ) é um espaço de articulação e convergência entre diferentes movimentos e organizações sociais formados por jovens ou que atuam diretamente com jovens no Brasil. Sua principal tarefa é promover diálogos, atividades formativas e de mobilização em favor dos direitos juvenis. É coordenado coletivamente por sete organizações e se articula através do e-mail: construindoteias@grupos.com.br.

REJUMA
A Rede da Juventude Pelo Meio Ambiente e Sustentabilidade - REJUMA - envolve diretamente cerca de 600 jovens e suas organizações dedicados a ações socioambientais em todos os Estados brasileiros.

Desde a sua criação, em 2003, propõe, fomenta e acompanha Políticas Públicas relacionadas às questões de Juventude e de Meio Ambiente nos âmbitos nacional e local como as Agendas 21, os Coletivos Jovens de Meio Ambiente, as Comissões de Meio Ambiente e Qualidade de Vida nas Escolas (COM-VIDAs), as Conferências de Meio Ambiente nas suas versões Infanto- Juvenil e “Adultos” e outras iniciativas socioambientais.

Está presente em instâncias de deliberação como o Conselho Nacional de Juventude, Conselhos Estaduais de Juventude, o Comitê Assessor do Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental, diversos Comitês de Bacia e outros órgãos reguladores nos quais contribui na orientação de políticas nacionais às locais com base nas realidades encontradas na ação da Rede em escolas, comunidades, Unidades de Conservação e espaços de relevância socioambiental em todo o Brasil.

Conceitualmente fundamentada pelos Princípios Ecológicos, pelo Tratado de Educação Ambiental Para Sociedades Sustentáveis e a Responsabilidade Global, pela Carta da Terra e pela Carta das Responsabilidades Humanas, a REJUMA se caracteriza como rede social auto-gestionada, ou seja, cria ou articula estruturas organizacionais específicas de acordo com as demandas sejam elas territoriais, técnicas ou temáticas, tendo como característica principal de sua estrutura (anti-estrutura?):

a autogestão a distância através da lista de emails e o portal www.rejuma.org.br (http://www.rejuma.org.br);
ambientes que oferecem ferramentas para reuniões, construção coletiva de documentos, troca multimídia, fóruns de discussão, etc.;
produção descentralizada de informações,
fortes conexões e contatos entre os elos.

Conheça e participe do Movimento de Juventude e Meio Ambiente. Acesse o Portal REJUMA


b) Educação Ambiental

REABS
A Rede de Educação Ambiental da Baixada Santista – REABS foi fundada em 2006 com o intuito de aprofundar, na região, a Educação Ambiental enquanto política pública. A REABS envolve os nove municípios que compõem a Bacia Hidrográfica da Baixada Santista.

Desde sua criação já realizou três encontros, num processo de articulação e dinamização de conceitos e práticas de Educação Ambiental, fortalecendo individual e coletivamente pessoas e organizações.

A REABS se comunica por meio de uma lista de comunicação, que pode ser acessada clicando aqui (http://groups.google.com.br/group/rede-eabs?hl=pt-BR).


REPEA
A Rede Paulista de Educação Ambiental – REPEA surgiu a partir de articulações realizadas antes e durante a Conferência Eco-92. Sua proposta é fortalecer a Educação Ambiental (EA) no estado de São Paulo, através da integração crescente entre pessoas e instituições que desenvolvem atividades nesse campo, denominadas elos.

Histórico
Em 1998 os elos da rede reuniram-se para promover o I Encontro Estadual de Educação Ambiental, que ocorreu em novembro de 1999 em Santo André-SP, reunindo cerca de 700 educadores que participaram e aprovaram o plano de ação da REPEA. Este momento de estruturação foi fundamental para iniciar uma nova atuação da rede e, por conseqüência, elaborar um planejamento para a captação de recursos que viabilizasse a continuidade de suas atividades.

A rede seguiu promovendo encontros e reuniões, até que em 2002 diversas instituições se organizaram para participar do edital de redes promovido pelo FNMA/MMA. O projeto “Fortalecendo a REPEA I”, com ações previstas de janeiro de 2003 a maio de 2004, estruturou a Secretaria Executiva da REPEA – SER, o que deu um grande impulso nas atividades da rede – até esse momento as ações haviam sido totalmente voluntárias.

II Encontro Estadual de Educação Ambiental & I Encontro Paulista dos Centros de Educação Ambiental
Foi promovido o II EEEA & I EPCEAs, do qual participaram cerca de 1.300 pessoas (sendo 80 estudantes voluntários na organização do evento) e foram oferecidos 26 minicursos, 26 oficinas, 13 GTs e apresentados 140 painéis, atividades estas promovidas pelos próprios participantes. O resultado do evento, construído de forma coletiva, democrática e emancipatória foi muito positivo, e até hoje todos que participaram valorizam este grande momento de conexão.

Todos os dados coletados neste e nos demais encontros de EA que ocorreram em 2003 foram sistematizados no site da rede, dando origem ao funcionamento de diversas listas e ao primeiro diagnóstico da educação ambiental no estado de São Paulo.

Gestão
Desde o início do projeto “Fortalecendo a REPEA I” a gestão da rede foi intensificada: as reuniões do grupo gestor ocorrem mensalmente. Delas participam os elos articuladores das instituições parceiras do projeto e demais elos interessados. Nestas reuniões ocorrem articulações e formação de grupos de trabalho para colaborar com o desenvolvimento das metas do projeto, que são executadas pela SER. Todas as atas das reuniões são disponibilizadas nas listas. Grupo Gestor

A REPEA considera fundamental a gestão regionalizada da informação para o fortalecimento da educação ambiental, e trabalha utilizando a divisão do Estado de SP em 20 Bacias Hidrográficas. Prevê a implantação de Pólos nas bacias onde houver elos articuladores aptos a desempenhar trabalhos conectados à SER.

Sustentabilidade
Foram realizados, entre outubro de 2003 e janeiro de 2004, diversos encontros presenciais com os elos da rede, grupo gestor e consultoria externa para a discussão e consolidação de um planejamento da Rede a médio e longo prazos. Dessa forma conseguimos construir a visão da REPEA para o período de 2004 à 2006. E de acordo com este planejamento, temos articulado e pesquisado novas fontes de financiamento para dar continuidade às atividades da rede. Em fevereiro de 2004 foi enviado ao FNMA-MMA o projeto “Fortalecendo a REPEA II”, e fundamental para a continuidade dos trabalhos a partir de julho de 2004.

A gestão da rede é um desafio que necessita de muito esforço comum, sempre buscando o consenso e o que nos une, para que realmente possamos construir a REPEA em bases sólidas e frutíferas.

Grupo Gestor
As reuniões do Grupo Gestor ocorrem mensalmente e participam: as instituições que enviaram o projeto Fortalecendo a REPEA para o FNMA/MMA e outras instituições interessadas na gestão da REPEA.


REBEA
A Rede Brasileira de Educação Ambiental - REBEA teve origem nos Fóruns de Educação Ambiental promovidos em São Paulo, nos anos 90, numa articulação entre ONGs, universidades e órgãos governamentais. A REBEA, uma das redes mais antigas do país, tem, desde seu início, a vocação e o objetivo de ser uma articulação nacional dos educadores brasileiros. Assim, no II Fórum, em 1992, no clima que antecedia a Eco92, é lançada a idéia de uma Rede Brasileira de Educação Ambiental.

Adotou-se como carta de princípios o "Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global" e como padrão organizacional a estrutura horizontal em rede. A Rede atua no ciberespaço por meio de site rebea.org.br e da lista groups.yahoo.com/group/rebeagroup.

Presencialmente está onde seus elos e facilitadores atuam. A Rebea tem como objetivos a produção e divulgação de informação para a comunidade de educadores ambientais e a difusão da cultura organizacional em padrão de rede, apoiar a criação de novas redes e a formação de facilitadores.

A facilitação nacional é formada pelas entidades gestoras (diretamente envolvidas na administração e manutenção), elos (redes de educação ambiental) e facilitadores. Atualmente desenvolve o projeto Tecendo Cidadania, financiado pelo FNMA e sediado no Instituto Ecoar para a Cidadania, em São Paulo.

A atuação da REBEA tem sido voltada para articular as redes estaduais e temáticas, de forma a criar uma grande malha nacional de educadores ambientais. Esta malha é feita de ideais, sonhos, conhecimentos e objetivos que, compartilhados, tecem a cidadania necessária para a construção de uma cultura de paz e uma sociedade sustentável.

A REBEA É O INSTRUMENTO, O TEAR QUE TECE ESTA MALHA.

Para participar acesse: www.rebea.org.br e www.groups.yahoo.com.group/rebeagroup


c) Agenda 21

A Agenda 21 é um plano de ação para ser adotado global, nacional e localmente. É uma das mais abrangentes tentativas já realizadas de orientar para um novo padrão de desenvolvimento para o século XXI, cujo alicerce é a sinergia da sustentabilidade ambiental, social e econômica, perpassando em todas as suas ações propostas.

A Agenda 21 Global foi construída de forma consensuada, com a contribuição de governos e instituições da sociedade civil de 179 países, em um processo que durou dois anos e culminou com a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, no Rio de Janeiro, em 1992, também conhecida por Rio 92.
A Agenda 21 Brasileira foi lançada em 2002 e, desde então, é base no Brasil para a construção de Planos Locais de Desenvolvimento Sustentáveil. O Programa Agenda 21, do Ministério do Meio Ambiente, fomenta a implementação nos estado e municípios.

REDE DE AGENDAS 21
A Rede Brasileira de Agendas 21 Locais (http://www.redeagenda21local.org.br) visa promover a integração e o intercâmbio de informações e experiências entre prefeituras, empresas e organizações da sociedade civil, fortalecendo os processos de elaboração e implementação de Agendas 21 Locais em todas as cinco regiões do país.

O principal objetivo da Rede é ser uma grande articuladora dos processos de Agenda 21. Para isso, se descentraliza em sub-redes com recortes territoriais como estados, municípios, unidades de conservação e bacias hidrográficas, entre outros.

Em São Paulo, a Rede Paulista de Agendas 21 Locais permite a comunicação e a ação articulada dos processos regionais e municipais. Ao promover também a criação de redes regionais, fortalece o diálogo e a troca de experiências localmente bem sucedidas entre municípios próximos.

A Rede de Agendas 21 do Litoral Paulista busca pautar nos organismos políticos regionais o reconhecimento dos processos locais e regionais da Agenda 21. E também a institucionalização como instrumento de planejamento da gestão pública, balizada pelos princípios da sustentabilidade.

Recém instituída, a Comissão Pró-Fórum da Agenda 21 de Peruíbe foi criada durante um processo que culminou no “Encontro Peruíbe 21 – Da cidade que temos para a cidade que queremos”, em novembro de 2008. Contou com a participação de integrantes da sociedade civil, da iniciativa privada e do setor público municipal. Para participar e acompanhar acesse o Blog da Agenda 21 de Peruíbe


Processos públicos e colegiados

CONDEMA/ITANHAÉM
O Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente de Itanhaém foi fundado em 1989, por meio da Lei nº 1550. Alguns anos após ter sido criado o conselho ficou inativo.

Já em 2001 o Condema foi reestruturado. A Lei 2679, de 12 de julho de 2001, reformulou as as atribuições e a composição do Conselho, reiniciando o processo de participação social nas políticas ambientais do município.

Fundada e sediada no municipio de Itanhaém, no litoral sul de São Paulo, a Ecosurfi é atuante no Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente e conta com a sua ajuda para efetuar o controle social nas políticas ambientais municipais, cobrando do poder público e das autoridades responsabilidade e compromisso com os princípios da sustentabilidade.

CE-ED / CBH-BS
Os comitês de bacias Hidrográficas são colegiados instituídos por Lei, no âmbito do Sistema Nacional de Recursos Hídricos e dos Sistemas Estaduais. Em São Paulo eles foram criados pela lei que instituiu a política estadual de recursos hídricos (7.663/91) para gerenciar a água de forma descentralizada, integrada e com a participação da sociedade.

Os comitês são colegiados compostos por representantes de municípios (prefeitos), de órgãos estaduais e de entidades representativas da sociedade civil (ongs, universidades, associações) em igual número. A composição tripartite visa garantir a todos os integrantes do colegiado os mesmos direitos e o poder de deliberar na tomada de decisões que irão influenciar na melhoria da qualidade de vida da região e no desenvolvimento sustentado da bacia. Por isso, os comitês de bacia são considerados "o parlamento das águas".

A Comissão Especial de Educação Ambiental e Divulgação – (CE-ED/CBH-BS) tem como objetivos: trabalhar para a implementação de projetos de Educação Ambiental e a sensibilização da sociedade, com foco na divulgação de informações sobre o uso racional e responsável da água.

Acompanhe o Comitê de Bacia Hidrográfica da Baixada Santista! (http://www.sigrh.sp.gov.br/cgi-bin/sigrh_home_colegiado.exe?COLEGIADO=CRH/CBH-BS&TEMA=AGENDA)


Conselho Consultivo Núcleo Curucutu (PESM)
O Parque Estadual da Serra do Mar (PESM) foi criado em 1977 e é o maior parque paulista, com 315.390 hectares destinados à preservação, educação ambiental, valorização da cultura local e à pesquisa científica.

O PESM Envole um total de quinze municípios da Baixada Santista e da Grande São Paulo. Vai da divisa de São Paulo com o Rio de Janeiro até Itariri, ao sul do estado, e abriga a maior área contínua de Mata Atlântica preservada do Brasil.

A gestão do parque é estruturada em núcleos e cada um possui um Conselho Consultivo, com participação da sociedade civil. A Ecosurfi é membro do Conselho Consultivo do Núcleo Curucutu. São eles:

Caraguatatuba
Cubatão
Núcleo Curucutu
Núcleo Cunha-Indaiá
Picinguaba
Núcleo Santa Virgínia
São Bernardo do Campo
São Sebastião

Quando os portugueses chegaram aqui pra estas bandas, a Mata Atlântica era pujante em todo o litoral brasileiro, do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte. Era o bioma predominante no área hoje de 17 estados, com uma área de 1.290.692,46 km², 15% do território brasileiro. Hoje restam apenas 95.000km², ou seja, 7,3% da área original de Mata Atlântica em pé.

COE-SP / III CNIJMA
Em 2008 São Paulo realizou a I CEIJMA – Conferência Estadual Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente, após um amplo processo que começou com as Conferências de Meio Ambiente nas Escolas. Participaram 280 delegados de 11 à 14 anos, representando todas as 22 bacias hidrográficas do estado de São Paulo.

Assim como as Conferências nas Escolas, a I CEIJMA é parte do processo da CNIJMA – Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente, que acontece desde 2003 como forma de integrar a juventude no debate sobre políticas ambientais. Promovida nacionalmente pelo OgPNEA – Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental (MEC/MMA), a Conferência é organizada nos estados pelas COEs – Comissões Organizadoras Estaduais.

As COE-SP conta com a participação da Secretaria Estadual de Educação e alguns órgãos municipais, Coletivos Jovens de Meio Ambiente, ONGs e universidades. E tem a responsabilidade não só de organizar a Conferência no Estado, mas de fomentar o enraizamento da Educação Ambiental em São Paulo por meio da formação de COM-VIDAs - Comissões de Meio Ambiente e Qualidade de Vida nas Escolas.

As COM-VIDAs têm como principal objetivo implementar a Agenda 21 Escolar, num processo de organização dos alunos e envolvimento comunitário. A sua implementação garante a continuidade do processo da CNIJMA durante os anos que separam as Conferências.

Para mais informações sobre a CNIJMA, acesse:
Para acompanhar e participar da COE:

Comitê Assessor do Órgão Gestor da PNEA
O Brasil tem uma lei que rege a prática da Educação Ambiental desde 1999. A PNEA – Política Nacional de Educação Ambiental (Lei Federal 9.795/99) estabelece os princípios, diretrizes e objetivos que órgãos públicos, organizações da sociedade civil, empresas, instituições de ensino e educadores devem considerar quando praticam a Educação Ambiental.

A PNEA é gerida por um organismo interministerial, composto pelos Ministérios da Educação e do Meio Ambiente, é o OgPNEA – Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental, que tem a finalidade de executar e avaliar, em parceria com a sociedade, a implementação do ProNEA – Programa Nacional de Educação Ambiental.

Além da ampla participação das redes de Educação Ambiental, o controle social nas políticas de Educação Ambiental é efetivada pelo CA/OgPNEA – Comitê Assessor do Órgão Gestor da PNEA. Este tem como integrantes a UNDIME – União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação, Força Sindical, CNI – Confederação Nacional das Indústrias, FBOMS – Fórum Brasileiro de Organizações e Movimentos Sociais, CPDS – Comissão de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável, REBEA – Rede Brasileira de Educação Ambiental e REJUMA – Rede de Juventude pelo Meio Ambiente e Sustentabilidade, entre outros.

O CA/OgPNEA tem duas reuniões ordinárias anuais, podendo acontecer reuniões extraordinárias em caso de necessidade. Além das reuniões, o grupo mantém uma estrutura de Grupos de Trabalho e uma lista de comunicação.

Acompanhe a Política Nacional de Educação Ambiental! Acesse e conheça as atividade do Comitê Assessor do OgPNEA.

Leia Mais ►
Read more...
Related Posts with Thumbnails
Ocorreu um erro neste gadget

Destaques

Ocorreu um erro neste gadget

  © Ecosurfi Desenvolvimento por Comunicação Ecosurfi Século XXI

Back to TOP